top of page

Da falsa central de atendimento ao golpe no Whatsapp: saiba se proteger

Febraban e 26 instituições bancárias se engajam em Semana da Segurança Digital para ajudar os clientes na prevenção contra fraudes

Você deve ter reparado que as instituições bancárias estão usando as redes sociais para falar cada vez mais sobre segurança e passar informações relevantes sobre como os clientes podem se proteger contra golpes. A iniciativa faz parte da Semana da Segurança Digital, promovida pela Febraban, em parceria com 26 bancos do país. O objetivo é conscientizar as pessoas para que os canais digitais sejam utilizados de forma mais segura, se prevenindo dos principais golpes e fraudes que geram tanta dor de cabeça e prejuízos para a população.


“A Febraban e seus bancos associados têm investido constantemente na comunicação com a população em geral com campanhas frequentes para orientar o cliente. É essencial criar uma forte cultura de proteção de dados no Brasil e ações de conscientização são fundamentais para fomentar a educação digital em nosso país”, afirma Adriano Volpini, diretor do Comitê de Prevenção a Fraudes da Febraban.


Usando as hashtags #SemanaDaSegurançaDigital, #PareEPense e #PodeSerGolpe, bancos como Itaú, Inter e Santander já estão bastante engajados na campanha, com posts no feed e nos stories do Instagram, publicações no Twitter e demais redes sociais.


Rachel Tortoretti, superintendente de Prevenção a Fraudes do Banco Inter falou à Consumidor Moderno sobre a importância da campanha e como a informação faz a diferença na prevenção de fraude. “No Inter temos o compromisso de garantir a segurança digital de nossos clientes e por isso somos um dos participantes da Semana de Segurança Digital, promovida pela Febraban em todo o país. Esse é um evento muito importante, porque soma esforços para conscientizar as pessoas com informações sobre como evitar golpes e fraudes”, diz.


Para a executiva, a informação é fundamental para que os clientes e colaboradores consigam identificar abordagens suspeitas e por isso o Inter aposta diariamente em ações educativas. “Temos, por exemplo, a campanha Segurança em Foco, um trabalho em conjunto com a Semana de Segurança Digital, que prevê publicações em nossas redes sociais com dicas sobre prevenção de fraudes, orientando sobre como os clientes devem agir em caso de contato de golpistas por telefone ou via redes sociais. Além disso, temos diversas medidas de segurança embarcadas dentro do nosso Super App para garantir a integridade da conta digital”, explicou .


Além do Itaú, do Banco Inter e do Santander também participam da campanha: ABC Brasil, BRB, Banco do Brasil, Banco Pan, Banco Pine, Banco Votorantim, Banese, Banestes, BMG, BNB, Bradesco, Caixa, Daycoval, Fibra, Letsbank, Mercantil do Brasil, Modal, Rendimento, Safra, Semear, Sicoob, Sicred e XP.


Esta é a quinta edição da Semana da Segurança Digital e, desta vez, cinco golpes foram escolhidos para serem o foco da campanha. Veja abaixo quais são eles e as dicas da Febraban para evitar que você se torne uma vítima.


Golpe da Falsa Central de Atendimento

O fraudador entra em contato com a vítima se passando por um falso funcionário do banco ou empresa com a qual ela tem um relacionamento ativo. Informa que sua conta foi invadida, clonada ou outro problema e, a partir daí, solicita os dados pessoais e financeiros da vítima. E até mesmo pede para que ela ligue na central do banco, no número que aparece atrás do seu cartão, mas o fraudador continua na linha para simular o atendimento da central e pedir os dados da sua conta, dos seus cartões e, principalmente, a sua senha quando você a digitar.


Há também abordagens em que o fraudador orienta o cliente a “estornar” uma transferência ou pagamento, fazer uma transferência para uma conta “segura” a fim de proteger seus recursos ou realizar um teste para checar se a conta está ativa.


Como evitar

Se receber esse tipo de contato, desconfie na hora. Desligue e entre em contato com a instituição através dos canais oficiais, de preferência usando o celular ou aplicativos móveis, para saber se algo aconteceu mesmo com sua conta. O banco nunca liga para o cliente pedindo senha nem o número do cartão e também nunca liga para pedir para realizar uma transferência ou qualquer tipo de pagamento.


Golpe no WhatsApp

Os golpistas descobrem o número do celular e o nome da vítima de quem pretendem clonar a conta de WhatsApp. Com essas informações em mãos, os criminosos tentam cadastrar o WhatsApp da vítima nos aparelhos deles. Para concluir a operação, é preciso inserir o código de segurança que o aplicativo envia por SMS sempre que é instalado em um novo dispositivo.


Os fraudadores enviam uma mensagem pelo WhatsApp fingindo ser do Serviço de Atendimento ao Cliente do site de vendas ou da empresa em que a vítima tem cadastro. Eles solicitam o código de segurança, que já foi enviado por SMS pelo aplicativo, afirmando se tratar de uma atualização, manutenção ou confirmação de cadastro. Com o código, os bandidos conseguem replicar a conta de WhatsApp em outro celular, têm acesso a todo o histórico de conversas e contatos. A partir daí, os criminosos enviam mensagens para os contatos, passando-se pela pessoa, pedindo dinheiro emprestado.


Desconfie de pessoas pedindo dinheiro ou seus dados por aplicativos de mensagem. Geralmente os golpistas apelam para alguma urgência falsa e pedem depósitos e transferências via Pix para contas de terceiros ou então para pagar alguma conta.


Como evitar

Primeiro, proteja o seu WhatsApp de invasões e clonagens. Nas configurações do aplicativo, clique em “Conta”, depois em “Confirmação em Duas Etapas” e ative essa funcionalidade de segurança com uma senha. Você diminui a chance de golpistas roubarem seu número. E nas configurações de privacidade, deixe a sua foto de perfil pública apenas para os seus contatos, assim ninguém a utiliza para golpes. Nunca compartilhe o código de segurança. E caso receba mensagens de parentes ou conhecidos pedindo dinheiro emprestado, confirme a identidade de quem está do outro lado.


Golpe do link falso/phishing

Um golpe em que normalmente ofertas muito atrativas chegam por e-mail ou redes sociais como iscas para que os usuários informem seus dados como número de CPF, conta, cartões e senhas. Essas mensagens também podem instalar vírus e aplicativos que roubam seus dados por meio de links maliciosos, permitindo os golpistas acessarem todas as suas contas.


Como evitar

Desconfie de mensagens que você não pediu ou aprovou, e de ofertas em que o desconto é tentador demais. Fique atento ao e-mail do remetente, empresas de grande porte não utilizam contas privadas como @gmail, @hotmail ou @terra e entidades públicas sempre usam @gov.br ou @org.br. Em caso de links, confira se o endereço da página corresponde ao correto. Em caso de dúvida, não clique.


Golpe com Boletos

Com a entrada em vigor da Plataforma Centralizada de Recebíveis (PCR), em 2017, todos os boletos emitidos precisam ser registrados antes de serem emitidos, o que mitigou um valor estimado de R$ 450 milhões em fraudes por ano. Entretanto, golpistas estão sempre em busca de novas formas de se aproveitarem dos consumidores e causar prejuízos, substituindo ou alterando boletos recebidos através de e-mail ou por correio, contendo dados de compras efetuadas ou mensalidades.


Como evitar

Quando for pagar o boleto, confira os dados do beneficiário, tais como CPF ou CNPJ do emissor, data de vencimento, valor, além do nome e número do CPF ou CNPJ do pagador. É muito importante checar se o nome que aparece como emissor do boleto confere com a empresa que você deseja realizar o pagamento.


Desconfie de e-mails recebidos com descontos no boleto. Não imprima os boletos – muitas quadrilhas usam vírus para adulterar os boletos. Ele muda os dados do boleto, como valor e a conta na qual o dinheiro será depositado, e entra em ação quando a pessoa imprime o boleto. Para evitar ser vítima desse tipo de golpe, a recomendação é solicitar que o emissor mande o arquivo no formato PDF.


Roubos de dados armazenados no celular

O fraudador entra em contato com a vítima se passando por um falso funcionário do banco. Usa várias abordagens para enganar o cliente: informa que a conta foi invadida, clonada, que há movimentações suspeitas, entre outras artimanhas. E diz que vai enviar um link para a instalação de um aplicativo que irá solucionar o problema. Se o cliente instalar o aplicativo, o criminoso terá acesso a todos os dados que estão no celular.


A Febraban esclarece que os aplicativos dos bancos contam com o máximo de segurança em todas as suas etapas, desde o seu desenvolvimento até a sua utilização. Entretanto, os criminosos realizam pesquisas no aparelho buscando por senhas eventualmente armazenadas pelos próprios usuários em aplicativos e sites.


Como evitar

Não salve senhas em bloco de notas, elimine o histórico de mensagens no celular que contém senhas, não armazene fotos do cartão no celular. Não compartilhe sua senha com terceiros. Crie senhas fortes e não repita em outros apps. Também use o bloqueio de tela inicial, biometria facial/digital para acessar o celular e os apps e ative o bloqueio de tela.

Em caso de perda ou roubo do celular, entre em contato com o banco e faça o bloqueio da conta/canais/dispositivo. Registre um boletim de ocorrência e comunique sua operadora para o bloqueio da linha.



Fonte: https://www.consumidormoderno.com.br/2022/10/27/golpe-whatsapp-saiba-proteger/?utm_campaign=news-cm-281022&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

Por: natália oliveira

6 visualizações0 comentário
bottom of page